terça-feira, fevereiro 14, 2006

Arde em desejo














Arde em desejo o beijo que o ciúme
Queima em desespero e a loucura fez
Soltar-se num braseiro, ardente, em lume
Neste inferno. Sufocante a altivez

Dos olhos que assim me olham: em flume
Agreste, onde nasceu e se desfez
Num mar de ilusões, pranto e cardume
De sentidos, desfeitos na nudez

Das palavras floridas do bravio
Suor do desencanto! Se amanhece
A vida em madrugada nos teus olhos,

Prometendo o doce bafo do estio,
Logo, depressa, tua boca a arrefece
E a faz jazer, serena, em mar de escolhos!

joão lopes

5 comentários:

sofia disse...

Lindo, lindo, lindo...

blue note disse...

João

descubro-te mais e sempre...
este poema poderia ser a continuidade do que escrevi...
e já não é a primeira vez. e gosto tanto de saber que tu és também a ponte
dos sentidos masis sentidos
do amor mais sublime.

Beijo João

Bitta disse...

Ardente!

Anónimo disse...

ès muito querido...

Silêncios disse...

O ciúme...há mt que não me lembrava dele...que bom :)!