domingo, junho 04, 2006

Traguei pó

Traguei pó, caminhei intensamente
Sobre espinhos e pedras pontiagudas;
Se me falaram, fiz orelhas surdas,
De tudo em meu redor eu estive ausente.

E segui, caminhei, fui sempre em frente.
Seguindo, procurei tuas ajudas,
Mas, as tuas palavras eram mudas
E eu sofri pela surdez de antigamente!

Só a ti via, só a ti ouvia!
Somente agora compreendi que errei,
Por não ter escutado o bom conselho!

Sou uma amálgama melancolia!
As chagas abriram e, eu não parei...
...Irei até morrer, podre de velho!

joão lopes em 1988

3 comentários:

blue note disse...

Irás morrer podre de sábio!
Nesse caminho de pedras pontiagudas em que os espinhos dilaceram cicatrizes já antigas, fazes da surdez o teu caminho.
Será que não somos todos surdos quando amamos?

João Lindo João melancólico João. Que difícil que é o amor!
Fica o meu abraço sempre mesmo ausente. Fica o meu respeito sempre em crescendo. Fica o meu agradecimento sempre. E o meu olhar por ti.

blue note disse...

Ah... e este é dos teus poemas o que mais me tocou!

Beijo

Pluma disse...

Mais uma vez um poema lindissimo.
So espero q nao seja realidade...
Beijo JL

Ps-(Desculpa a minha ausência)