sábado, janeiro 26, 2008

Partindo do princípio
que cheguei aqui...

sabendo que os segredos
valem nos teus lábios,
mais que o vento que não vejo
mais que os medos
que não quero...

como poderei não ver,
os caminhos todos,
os rios, mares e estradas
que hei-de ter
se tu fores o meu tempero...

E quando, finalmente
me ensinares tudo,
o que nunca saberei...
então doce e lentamente
saberei quem sou.

E quando me perder assim,
nas ondas violentas
das paixões que invento
quando caio em mim...
então eu vou.

chegarei ao fim
ancorado em ti!

3 comentários:

um Ar de disse...

"Partindo do princípio" de que sou fã deste blog, fico muito feliz por poder ler mais um poema "in such a short time"...

Lindíssimo!

Bj

Meg disse...

Eduardo,
É com alguma surpresa que te encontro aqui, de novo com mais um belíssimo poema
Que li e reli. Comentá-lo é que é difícil... porque não se explicam as "paixões que inventamos". Eu diria que acontecem sem pedirem licença.
Estive ausente uns dias, por isso não tenho vindo aqui Mas estou de regresso, quase em forma.
Um grande abraço

Freaky disse...

Um blog cheio de poemas bonitos e profundos.
Vou adicionar o seu blog no meu para os que visitam o meu possam vir aqui e ler estes poemas bonitos.