sábado, junho 30, 2007

Porque o vento não é forte
se não for pela tormenta...

Nem a lava faz sentido
se não for pela passagem.

Como o mar sem ser violento
e a chuva sem enchentes...

Como o fogo sem ser livre
e o tempo sem ser escasso.

Assim como nós!
Sem sermos pouco...
tão pouco em querer ser muito
e infinitamente pouco!

Assim como nós!
pedaços breves de loucura
na sede de ir mais longe
do que as nossas pernas
nos podem consentir...

estórias parvas
no sorriso simples dos mais simples
quando rasgam a esperança
do desejo do devir.

Assim somos nós!
mistura pobre do que queremos
com o pó vindouro que há-de ser...

4 comentários:

Um Ar De... disse...

Já andava com o desejo de um poema, assim, atravessado no meu olhar.
Lembra tristeza... mas não é tanta assim.
Lembra morte... mas a poesia é mesmo assim!

[Obrigada pela actualização deste blog. É um remédio anti-tédio, para aqueles meus dias mais iguais uns aos outros.]

Carmen disse...

Lembra a morte sim, e porque celebrar a vida é lembrar da morte!
sabemos os dois como as celebrações se podem misturar...e assim dar ainda mais sentido à loucura de viver!!

zetrolha disse...

Porque é que a Negra é tão má mas tão sedutora...fugimos mas não parámos de pensar nela.

Bruxinhachellot disse...

Porque nessa ânsia de querer alcançar o infinito, nós os loucos não medimos nossa cpacidade e nos jogamos no rodamoinho da vida.

Beijos de Sol e de Lua.