segunda-feira, outubro 01, 2007

Como se fosse um beijo...
assim deixei os olhos
na vertigem do teu corpo.

Como se a pele secasse...
apenas pela tua ausência
e os ossos se partissem
por não tocar em ti.

Como se fosse o tempo todo
todo o tempo dos silêncios...

Assim me deitei
no lado vazio de nós...

10 comentários:

Um Ar De... disse...

...e o tempo dos sacrifícios.
...e o tempo das distâncias.
Mais uma vez, a poesia está de paredes meias com a morte.
E esqueira-se dela, porque há o poeta e o poema e os ecos dos leitores.
Parece, até, que a morte é incapaz de fazer a distinção e não sabe para que lado há-de deixar cair a foice.
Entretanto, distrai-se a ver a mão que as escreve e a ouvir as entoações das palavras e o tempo passa e o braço da morte desce, cansado e sem memória. Fica à espera do próximo momento em que se permite esquecer.
Por isso, talvez a sua única veleidade é a de estar perto da poesia. Sombra inofensiva, afinal, mas sempre presente, para quem a sente e a olha de frente.

Bj

Meg disse...

Porque será que há sempre uma lado vazio de nós?
Que hoje senti, apesar de já ter lido este poemas várias vezes, aqui.
É isto a poesia... os sentimentos tão díspares que pode provocar, conforme as nossas circunstâncias.

Um grande abraço

Um Ar De... disse...

Cara Meg,
Dava jeito outro poema, não era?
Passo aqui montanhas de vezes à espera de um novo!...
Escreve outro, Eduardo!
Bj

Vieira Calado disse...

Ah, como é triste dormir só!
bom fim de semana

. disse...

Tragã lá as lenguiças , as entrameadas , pinga da boa e rapaziada amiga , cas brazas já cá tã à espera ...
Tou-o cá aqui neste Bêco .
Charroco http://charroco.blogs.sapo.pt/

Atão proqui nã dã lá uma saltada , tã todos convidados pôrra .
Ê lá os'péro .

Um Ar De... disse...

Este homem não bate bem...
Que falta de sentido de oportunidade!...
Que se empanturre sozinho!...

adam disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Desculpa, Eduardo, mas este aqui anda a deixar "carimbos" nos blogues e com diferentes identidades... Há cada um!!!

E agora venho desejar-te uma óptima passagem de ano e que 2008 te traga a realização dos teus sonhos, com muita saúde, paz e harmonia.Para ti e para os teus.

Um grande abraço

Meg disse...

O Anónimo sou eu, poh!!!!
Não faço ideia de como aconteceu.

Sorry

barb michelen disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.